As bacoradas que se encontram…

Miguel Mira da Silva

Sim, aqui posso chamar as absurdidades deste senhor pelo nome. Ontem no Twitter alguém expôs o post deste Professor do Instituto Superior Técnico, que entre outras afirmações que me deixaram a ranger os dentes, acha que o informáticos em Portugal ganham demais, na casa dos 1500 Euros brutos. Desculpe? E os que nem ganham isso?

Enfim, vou aqui deixar que leiam as afirmações-chave (barbaridades, diga-se) desta criatura no forum que podem encontrar aqui:

http://cei2009.net/forums/t/27.aspx
Como o forum já “fechou para balanço”, fica aqui o link para alguém que guardou como uma autêntica relíquia (que é) o post do senhor professor:
http://tiagomatos.org/blog/?p=304

A minha resposta encontra-se no forum mas fiz questão de a repetir abaixo neste post, para o caso de ser apagada pois não me aguentei e acabei por usar talvez alguma linguagem menos apropriada):

Fernando Colaço

Confesso que estava mortinho por ser aprovado no forum para poder responder à absurdidade deste post. Ao fim de um dia e depois de alguns bugs no sistema (que ficam sempre bem tendo em conta a entidade que o suporta) aqui vai:

Ontem, depois de algum alarido no Twitter especialmente entre pessoal a trabalhar no ramo das TI no estrangeiro em relação às barbaridades escritas neste post, confesso que fiquei a ranger os dentes. Se um professor do Técnico (o autor) pensa assim, não é grande surpresa que o país esteja como está principalmente em relação aos profissionais nesta área.

Antes de mais, como não sou Engenheiro (rótulo indispensável tal como outros em Portugal para se chegar a algum lado sem necessitar de outras técnicas menos decentes que não devo referir aqui), fiz questão de procurar a gravata que levei ao último casamento e fazer uma foto para o meu avatar numa pose o mais semelhante possível à do autor (que me surpreendeu por não ter colocado o polegar e indicador a segurar o queixo).

Ao que interessa: Uma das conclusões a que cheguei que podem ajudar ao facto de que cada vez há menos “bons profissionais” e mais “maus profissionais” em Portugal, é o facto inevitável que mais cedo ou mais tarde, os primeiros descobrem uma realidade paralela fora do país, em que os salários são mais na casa de 10 vezes mais que os absurdos 1500 Euros (brutos) que o autor considera serem excessivos. Como alguns dos participantes da discussão referiram já, não estamos a falar de uma profissão propriamente linear. Tocando nesse ponto, fico estupefacto que compare a modernização possível do ramo com a da produção de vestuário ou automóveis (no seu terceiro post). Pergunto ao Senhor Professor (que sinceramente acho que tenha mais jeito para sapateiro) se não reparou que essas duas áreas de produção são completamente replicáveis. Acha que se passa o mesmo no ramo das TI? Não estamos a falar propriamente de uma actividade linear.

O aumento da produtividade dos informáticos não tem nada a ver com o salário poder ser mais baixo. Pelo contrário. Como pude verificar no seu perfil do LinkedIN também andou pelo estrangeiro. Não reparou que “cá fora” a motivação e o empenho são recompensados? E refiro-me a compensados não apenas com aumentos mas com progressão na carreira. Já agora fico curioso, pois é dos poucos casos que vejo que andam por fora e acabam por voltar para Portugal, no ramo IT. Podia ser cínico e dizer que isso me diz realmente muita coisa, pois os casos que conheço acabaram por fazer isso porque se encostaram aos canudos (e aos rótulos que por aqui ninguêm quer saber) e recusaram-se a admitir que a competência e produtividade prevalecem em relação a isso. Obviamente depois de algumas tentativas, não duram muito no mercado, acabando por mudar de actividade ou arranjar um tacho e voltar para o país dos Engenheiros e dos Canudos.

Sinceramente, tenho pena de ter andado com os olhos fechados e a trabalhar em várias empresas que acreditam que quanto menos pagam (quando se decidem a pagar) mais seria suposto eu me esforçar. Se tivesse tido contacto com a realidade “cá fora”, já tinha saltado do barco (Portugal) há 15 e não pouco mais de 5 anos.

Pelos vistos ainda há por aí quem pense que no sector das TI há pessoal que carrega em teclas e espera que o computador faça sozinho o trabalho. E que acham que as horas investidas tanto nos projectos como na constante pesquisa e reciclagem de conhecimento são desnecessárias e implicam que se trata de um profissional de “má qualidade” quando as próprias empresas ou clientes são responsáveis por se re-fazer o mesmo projecto 500 vezes a andar em círculos e multiplicar assim os custos, em muitos dos casos porque quem está responsável pela gestão dos projectos é alguém com um canudo que não investiu em si desde que acabou os estudos e está encostado a tecnologias que estão obsoletas há 10 anos ou mais. Ou que é sobrinho da prima do gerente. Ou que têm uma incrível habilidade para lamber testícbotas.

O único conselho que tenho para os bons profissionais em IT? Simples: não desperdicem mais tempo e dêm uma olhadela ao que se passa no estrangeiro. Duvido que voltem ao país se trabalharem cá fora (só para a experiéncia) mesmo apenas alguns meses (eu estava certo disso ao fim de 2). Preparem-se para algum esforço pois trabalhar não implica estar sentado ao computador no Facebook entre 80 pausas para o café ou para o cigarro. Os empregados “não bons” são naturalmente filtrados pelo sistema e em vez de progredirem têm de se dedicar a outra área ou passar a esforçar-se mais.

OK, já me sinto melhor por ter dito algo. E reparo que posso não ter sido muito simpático nalgumas expressões, mas revoltou-me mesmo ver ao ponto a que um professor pode atirar com conversa de encher chouriços e ainda referir que o seu “raciocínio” é económico em termos de oferta e procura (??) e usar termos como “produzir informáticos”… Os informáticos não se produzem, continuam em constante desenvolvimento e se estagnam alguns meses, perdem completamente a carruagem, e pelos vistos a consciência da realidade e do mercado que os rodeia.

Exmo. Sr. Professor Miguel Mira da Silva, com todo o respeito, you can keep your 2 cents.

29 Responses to “As bacoradas que se encontram…”

  1. Sonia Jansson Says:

    Bem já vi que nao fui banida indefinidamente do teu site. Ainda bem.
    Quero apontar o seguinte:
    Competência e qualidade resultam em salários baixos? ou vice versa?
    só na China…ou em Portugal, pelos vistos.

  2. Nuno Barreto Says:

    Acabei por não resistir a também comentar :)

    Que alimária :)

  3. Irina Says:

    Não sendo informática nem trabalhando no ramo das tecnologias, mas sendo consciente do mercado de trabalho em PT e do esforço que o País faz para se ultrapassar tanto a barreira do desemprego como a “herança” de uma economia em luta por uma expansão ao nível europeu… francamente. Fiquei embasbacada. Não que um estatuto traga intelecto e bom discernimento a ninguém mas, um Engº e docente com tanta imbecilidade simiesca – se bem que o macaco sabe onde cada coisa pertence e este senhor, aparentemente, nem isso – com discursos salazaristas do “mas onde se justificam 1500€ de salário bruto”… Jesus, já não via disto desde que o Bernardino Soares diz em parlamento que Cuba é um país tão democrático como PT :D

    Pois eu sou dos casos do salário médio de 700€ se trabalhar a contrato. Como freelancer, não. O que justifica o que o Fernando diz quanto ao abuso do empregado versus empregador em PT: trabalhamos mais, com menos condições, com mais objectivos, sem hipóteses de progressão na carreira e conseguir um emprego é uma bênção, há que mantê-lo!

    Portanto, gasta o trabalhador o investimento que fez nos estudos (curso superior, curso tecnológico, material, software e imensas, infinitas, horas de pesquisa para se manter ao corrente de um mercado em constante e impetuoso desenvolvimento) para se contentar com os míseros 700€ de salário médio nacional, só porque o Professor acha que quem não sabe ligar um dispositivo Plug & Play não devia ter de pagar a hora que o trabalhador perde onde poderia estar a desenvolver outro qualquer projecto. Está descontente, aprenda e poupe. Deixe lá os trocos dos outros. Porque quem não tem não faz.

    Um website, por exemplo, numa pequena ou média empresa é o mais fiel cartão de apresentação disponível nos dias de hoje. Pode gerir-se sozinho e ser parte do negócio, traz lucros, faz publicidade, faz vendas, gera contactos, esclarece clientes – e muito me espanta eu ter de justificar o porquê de um site ser caro - , etc., mas o professor na sua lucidez de pirilampo-mágico-económico acha que é um serviço que deve ser vendido por tabela de salário mínimo nacional, quando o cliente ficará a ganhar fortunas durante anos (não é o professor o mesmo que forma os ditos incompetentes informáticos? O que pensam eles do seu discurso do-investe-anos-jovens-da-tua-vida-e-o-dinheiro-dos-teus-pais-que-já-agora-estão-individados-e-vai-ganhar-450€/mês?).

    Há gente que por só ter martelo pensa que tudo é prego, como é o caso do professor que concorda que o orçamento de uma casa portuguesa ronde os 1000€ e que assim é que deve ser. No Canadá, quem trabalha no MacDonalds recebe um mínimo de $1200 CAD para virar hambúrgueres e os professores não se queixam, nem desses, nem dos que ganham o quíntuplo para instalarem software num pc de quando em vez. Mas também não creio que quem ensina esses segundos tenha um discernimento tão minguado por questões de ego, e ainda bem. Eu gostava de ter tempo (pois vontade não me falta) de me demorar sobre este assunto; adorava conhecer a pessoa em questão!, mas aqui em PT quem não está acorrentado durante as horas de expediente não é bem visto, nem é poupado a um cartão amarelo e, como tal, tenho de voltar aos afazeres. No entanto, um bem-haja ao prof que é desde já o melhor exemplo público de que disponho para justificar o porquê da miséria abundante deste País.

  4. Tiago Says:

    Boas!
    Fui parar ao site do cei2009 e lá descobri o tema “Melhores informáticos precisam-se”, as barbaridades que um sr. professor é capaz de dizer e o ridículo a que chegou..
    Em modo WTF continuei a ler os posts e foi com um enorme alivio que cheguei ao teu (finalmente um ser pensante!). Excelente resposta e parabéns pela contenção perante tal personagem..
    Sou novo, estou agora a terminar o curso e a ganhar uns trocos numa ti em Portugal.
    Gostava de experimentar o que se passa lá fora, mas ainda ando a explorar opções (e a ver se junto algum)..
    Bisbilhotei o teu perfil e as tuas competências cruzam-se com as minhas áreas de interesse. Por isso qualquer sugestão é bem-vinda.
    Cumprimentos.

  5. Ernesto Says:

    Este sim, é o verdadeiro post da Emigrantolandia!!

    Esse senhor, agarrado a mais um canudo (tacho?? poleiro??) e a ganhar bem mais que os estonteantes 1500 eur que refere, acha que… se ganha demais. Brilhante!

    Pergunta: o senhor contentava-se com 1500 eur por mês????

    É o espelho do que se passa no país: ORDENADOS CHORUDOS para as elites e migalhas para a plebe em geral, não vá a plebe ter dinheiro para ir almoçar a um restaurante chique e conspurcar o ambiente com a sua reles presença.

    “Os gajos estão a ganhar muito. Cortem-lhes os prémios.” Já passei por isso, infelizmente. Embora a malta suasse as horinhas todas do dia, os prémios lá se iam pq algum “sr. doutor” decidia mudar as regras e pasme-se, o pessoal deixava de conseguir atingir os objectivos… que antes eram facilmente atingidos e superados. O verdadeiro raciocínio económico.

    Seria boa ideia fazer uma colecta de 2 cents (!!) a cada leitor e oferecer a este senhor, uns binóculos para ele ver o que se passa no estrangeiro: melhores ordenados; melhores regalias sociais; melhor nível de vida e, pasme-se, maior produtividade e economias mais sólidas e estáveis.

    Esse iluminado justificaria bem melhor o seu poleiro, desculpem, ordenado, se realmente produzisse algo de útil, em vez de ter diarreias intelectuais on-line.

  6. Fernando Colaço Says:

    Obrigado a todos pelas reacções, que eram de esperar de qualquer forma.
    @Tiago: Não percas muito tempo por aí, principalmente se as áreas de interesse são as mesmas (as competências ganham-se com a experiência e as empresas estão conscientes disso), arranjas trabalho facilmente e não te submetes à constante lavagem ao cérebro por parte da maioria das empresas por aí. Por conta própria vai dar ao mesmo pois acabas por estar a trabalhar para a pior delas… o estado. Salta do barco antes que ele afunde (ainda mais).

  7. carla Says:

    pois e com tanta conversa, podemos chegar a uma grande conclusão… estas são algumas cabeças pensantes do nosso Portugal. Assim se vê que o barco qualquer dia afunda e cada vez mais está em contagem decrescente.

    estiveste muito bem…..

  8. Miguel Mira da Silva Says:

    Tenho pena que tivessem continuado a discussão aqui (onde pelos vistos estão todos de acordo) e não no site do CEI 2009 onde eu teria tido oportunidade de responder aos posts todos.

    Em todo o caso, estive a ler os vossos posts aqui e gostaria de convidá-los para o evento que terá lugar esta Segunda e Terça no Técnico do Taguspark e onde, ao contrário do que é normal aqui em Portugal, a maior parte do tempo será para *discutir* (como vocês gostam e eu também) e não para ouvir palestras.

    Fica aqui o link para o site: http://cei2009.net/

    Cumprimentos a todos.

  9. Francisco Costa Says:

    para quem não conhece e como alguns daqui se inserem no perfil aqui vai

    COISAS QUE TODOS PRECISAM DE SABER SOBRE O GAJO DA INFORMÁTICA

    1) O GAJO DA INFORMÁTICA dorme. Pode parecer mentira, mas O GAJO DA INFORMÁTICA precisa de dormir e descansar como qualquer outra pessoa. Esqueça que ele tem telemóvel e telefone em casa; ligue só para o escritório ou para o telemóvel entre as 09h00m e as 13h00 (manhã) ou entre as 15h00 e as 19h00 (tarde) de Segunda-feira a Sexta-feira. O GAJO DA INFORMÁTICA também precisa de descansar aos Sábados, Domingos,
    feriados e NOS DIAS QUE INDICOU DE FÉRIAS.

    2) O GAJO DA INFORMÁTICA come. Parece inacreditável, mas é verdade. O GAJO DA INFORMÁTICA também precisa de alimentar-se e tem horas para isso, TODOS OS DIAS.

    3) O GAJO DA INFORMÁTICA pode ter família. Esta é a mais incrível de todas. Mesmo sendo um GAJO DA INFORMÁTICA, precisa de descansar no fim de semana para poder dar atenção à família, aos amigos e a si próprio, sem pensar ou falar em informática, impostos, formulários, reparações e demonstrações, manutenção, vírus e etc.

    4) O GAJO DA INFORMÁTICA, como qualquer cidadão, precisa de dinheiro. Por esta você não esperava, ah? É surpreendente, mas O GAJO DA INFORMÁTICA também paga impostos, compra comida, precisa de combustível, roupas e sapatos, e ainda consome xanax para conseguir relaxar. Não peça aquilo pelo que não pode pagar ao GAJO DA INFORMÁTICA.

    5) Ler e estudar também é trabalho. E trabalho sério. Pode parar de rir. Não é piada. Quando um GAJO DA INFORMÁTICA está concentrado num livro ou publicação especializada ele está a aprimorar-se como profissional, logo, a trabalhar.

    6) De uma vez por todas, vale reforçar: O GAJO DA INFORMÁTICA não é vidente, não faz tarôt e nem tem uma bola de cristal para adivinhar o que as outras pessoas pensam ou fazem. Se você julgou que era assim, demita-o e contrate um PARANORMAL, um BRUXO ou um DETECTIVE. Ele precisa de analisar, planear, organizar-se e que lhe expliquem
    DETALHADAMENTE o que é pretendido para assim ter condições de fazer um bom trabalho, seja de que tamanho for. Prazos são essenciais e não um luxo. Se você quer um milagre, ore bastante,faça jejum, e deixe o pobre do GAJO DA INFORMÁTICA em paz.

    7) Em reuniões de amigos ou festas de família, O GAJO DA INFORMÁTICA deixa de ser O GAJO DA INFORMÁTICA e reassume o seu posto de amigo ou parente, exactamente como era antes dele ingressar nesta profissão. Não lhe peça conselhos ou dicas. Ele também tem o direito de divertir-se.
    8) Não existe apenas uma ‘listagemzinha’, uma ‘rotininha’, nem um ‘textozinho’, um ‘programinha muito fácil para controlar isto e aquilo’, um ‘probleminha, que a máquina não liga’, um ’sisteminha’,uma ‘visitinha rápida (aliás, conta-se de onde saímos e até chegarmos)’. Assim, esqueça os inha e os inho (programinha, textozinho,
    visitinha) ‘, pois os GAJOS DA INFORMÁTICA não resolvem este tipo de problemas. Listagens, rotinas e programas são frutos de análises cuidadosas e requerem atenção, dedicação. Planear, organizar, programar com concentração e dedicação, pode parecer inconcebível a uma boa parte da população, mas serve para tornar a vida do GAJO DA
    INFORMÁTICA mais suportável.

    9) Quanto ao uso do telemóvel: o telemóvel é uma ferramenta de trabalho.Por favor, ligue apenas quando necessário. Fora do horário de expediente, mesmo que você ainda duvide, O GAJO DA INFORMÁTICA pode estar a fazer algumas das coisas que você nem pensou que ele fazia, como dormir ou namorar, por exemplo.

    10) Pedir a mesma coisa várias vezes não faz O GAJO DA INFORMÁTICA trabalhar mais rápido. Solicite. Depois, aguarde o prazo dado pelo GAJO DA INFORMÁTICA.

    11) Quando o horário de trabalho do período da manhã vai até 13h00m, não significa que você pode ligar às 12:58 horas. Se você só se lembrou do GAJO DA INFORMÁTICA a essa hora, azar o seu, espere e ligue após o horário do almoço (lembra-se do item 2?). O mesmo vale para a parte da tarde: ligue no dia seguinte.

    12) Quando O GAJO DA INFORMÁTICA estiver a apresentar um projecto, por favor, não fique bombardeando-o com milhares de perguntas durante a reunião. Isso tira a concentração, além de dar-lhe cabo da paciência. ATENÇÃO: Evite perguntas que não tenham relação com o projecto, tipo “Quanto custou o seu portátil?” ou “O que acha que devo comprar para o meu filho jogar em casa, um portátil ou um
    desktop?

    13) O GAJO DA INFORMÁTICA não inventa problemas, não faz actualizações automáticas de Windows piratas, não tem relação com vírus, em resumo, NÃO É CULPADO PELO MAU USO DE EQUIPAMENTOS, INTERNET E AFINS. Não reclame! O GAJO DA INFORMÁTICA com certeza fez o possível e dentro da legislação em vigor para você pagar menos. Se quer fazer upgrades de borla, instalar programinhas giros, etc., faça-o, mas antes demita O
    GAJO DA INFORMÁTICA e contrate um PICHELEIRO.

    14) Os GAJOS DA INFORMÁTICA não são os criadores dos ditados “o barato sai caro” e “quem paga mal paga a dobrar”. Mas eles concordam.

    15) Informática é referente à computadores (HARDWARE OU SOFTWARE e muito raramente, os dois ao mesmo tempo), e não TV’s, telemóveis e electrodomésticos, etc. Portanto, O GAJO DA INFORMÁTICA não vai ensinar-lhe a mexer no telemóvel, reparar a sua TV, etc.

    16) Existem vários tipos de GAJOS DA INFORMÁTICA e cada um tem a sua especialização. Se você parte uma perna não vai ao oculista, pois não? Assim, se o GAJO DA INFORMÁTICA é especialista em software e programação poderá não estar muito à vontade sobre HARDWARE ou REDES e vice-versa para realizar um trabalho de qualidade, portanto não lhe peça para executar trabalhos nos quais não é especialista dizendo
    “você consegue fazer, para que chamar outra pessoa se você é mesmo bom nisto da informática”

  10. Filipe Says:

    Olá!

    O MMS foi meu professor e digo sinceramente: ele não percebe NADA de informática e só sabe mandar postas para o ar. O problema dos informáticos não é receberem muito: o problema é haver muita gente como ele que fala, fala…e não fazem nada! Porque falar e dizer que os sistemas são maus é facil…agora fazer alguma coisa, isso é só para alguns!

    Se em vez de criticar ele fizesse um pouco do que nós fazemos, a conversa é outra!! Já agora, ele esteve em Inglaterra a tirar uma espécie de MBA e também já deu cabo de uma empresa (não me recordo o nome). Na faculdade sempre foi um tipo arrogante e com a mania que sabia mais que os outros. Pena não ter ficado lá fora…porque cá não faz falta a ninguém!!

  11. Fernando Colaço Says:

    Filipe: que impressionado que eu estou (not) com uma pessoa que afirma o que já toda a gente leu (e continua a bater na mesma tecla) e que a única “resposta” que me deixa aqui… é SPAM para um evento “a pagantes”. Infelizmente também me calharam professores destes, o mais notável alguns dos leitores do meu blog (que estudaram comigo) ainda se lembram dele de certeza (começa p P e rima com Banana). Será que isto tudo é por haver programadores e pessoal por aí a ganhar mais que o Sr. Professor?

  12. Filipe Says:

    Fernando: o problema é terem o rei na barriga. Toda a experiência acumulada e inúmeros projectos de informática correram bem graças aos engenheiros que programaram, planearam, desenharam..e não apenas ao psuedo-gestor.

    O MMS, a meu ver, não tem qualquer tipo de conhecimento decente, principalmente nas áreas de ITIL, onde ele insiste em manter-se e em “dar formação”. Trabalho nessa área e a maioria do que ele diz, é puramente teoria que está nos livros! Pois a prática é completamente diferente!!

  13. Pedro Abreu Says:

    1500€ Brutos é muito?!??!? Isso dá o quê? 1200€ Liquidos?!? Gostava de saber quanto esse senhor ganha por mês…

  14. Deoclid Bonaza Says:

    Infelizmente em Portugal mais vale parecê-lo que sê-lo.
    As gerações mudam mas a mentalidade do Lusitano mais parece que sempre viverá agarrado ao “canudo”, ao título (ele é Eng, ou Dr e para muitos mesmo estes dois nem são suficientes). É crescente a cambada de amargados e frustrados que se resguardam e protegem da incompetencia e insegurança atrás daquilo que o “status cu” os habituou a escrever antes do nome. Sem esses acronimos não são ninguém, e para esses ninguém é ninguém se não possuir como eles essa distinção. Portugal “país de doutores” padece de miopia em muitas áreas e continuará pelos vistos a ter mais e mais gente mandando postas de pescada.

    PS- Parabéns pelo excelente blog ;)

  15. Ernesto Says:

    Ler e interpretar também não será o seu forte…

    Na 2ª página do post no CEI2009 lê-se:

    Filipe Cruz diz: “MMS, faço-lhe um desafio: pegue num projecto qualquer de informática durante 2 meses e execute-o.”

    MMS responde: “Obrigado pelo conselho. Mas eu estou a gerir actualmente 5 projectos de engenharia informática, entre muitas outras actividades práticas (p.e. consultoria em empresas) na área da engenharia informática. E já implementei dezenas de sistemas informáticos. Conheço muito bem a realidade.”

    Gestão, consultoria e implementação… qual foi a parte do EXECUTE-O que não percebeu?!

  16. João Says:

    Fernando,

    Muito bom post no cei….
    Tb tenho la respondido para fincar ainda mais a nossa posição e explicar melhor o que é o mundo profissional aquele Sr Professor….
    Mts parabens

  17. Fernando Colaco Says:

    Seguindo a brilhante lógica do Sr. Professor e tendo em conta que a sua produtividade e presença é a descrita pelo Miguel Arroz (no froum) e as qualidades descritas pelo outro aluno, Filipe (no meu post) que afirma que ele não percebe nada e só sabe atirar postas para o ar e a acrescentar pela quantidade de emails de “anónimos” que recebi e que me mostraram mais alguns “podres” que obviamente não vou publicar, a solução seria baixar-lhe o ordenado pois isso ia aumentar imediatamente a sua produtividade, ou estou enganado?

    Cinismo à parte, e a ver por onde as coisas estão a chegar, num país minimamente civilizado ou num estabelecimento sério, obviamente há aqui alguém que não estaria de certeza num cargo de docente ou em cargos de direcção.

    Fora isto tudo a afirmação do próprio: “Eu sou engenheiro informático antes de ser professor. Porque ser engenheiro informático é uma profissão e ser professor é um emprego.” deixou-o mais do que apresentado. Quem quer que sejam os seus superiores hierárquicos claramente ou andam de olhos fechados ou convenientemente fechados. Sinceramente, nem sei o que dizer mais desta conversa toda e acho que vou apenas continuar de boca aberta.

  18. domelhor.net Says:

    Professor do IS Tcnico sugere q os informticos ganhem menos para serem mais produtivos (?) e bombardeado obviamente com comentrios de profissionais no alucinados (como ele)…

    Aps deparar com as afirmaes deste professor, entre as quais a absurda referida no titulo, comparaes entre a indstria das TI e a de vesturio/automoveis entre outras barbaridades (pois cada vez que a criatura responde ainda se enterra mais), no resisti a…

  19. Paulo Sebastiao Says:

    Bem, fui aluno e mestrando do professor Mira da Silva na universidade. Sei que é comum o professor dar exemplo da situacao no estrangeiro, mas penso que após estar um ano a viver fora, tenho uma opiniao diferente. Vou-me limitar apenas a comentar a diferenca de salário e as competências.

    No entanto, após me ter mudado para a Suécia. Vejo que as coisas sao bem diferentes. O primeiro ponto é que o custo de vida não é assim tão elevado comparado com o português. Por outro lado, o salário é quase o triplo do que ganhava em inicio de carreira em Portugal (Sim, liquidos! Nós pagamos bastantes impostos, portanto facam as contas). Para dar um exemplo, hoje tenho um apartamento que comprei. Em Portugal, jamais poderia pensar em comprar um apartamento em início de carreira.

    Em relacao à competência. Sinceramente, acho que somos muito mal compensados em Portugal em relacao à nossa qualidade. Recuso aceitar a ideia que temos engenheiros informáticos de extrema baixa qualidade. Aliás, comparando com a situacao aqui na Suécia penso que estamos MUITO melhor formados (ou entao estou na empresa errada). Sinceramente, daria uma perna para trabalhar com algumas das pessoas com que trabalhei em Portugal.

    Não é de estranhar qdo vemos que os portugueses que trabalham no estrangeiro, normalmente têm mto sucesso perto dos seus gestores. Também não é de estranhar que não voltem, como talvez será o meu caso.

  20. andre Says:

    Coloquei lá no CEI uma explicação clara dos interesses que esse professor defende, ele vende consultoria em ITIL, a tal norma que arroga para o estado e que curiosamente VENDE ao estado… Falhou-lhe o disclaimer antes de começar a mandar bocas sobre salários e qualidade…

    Está tudo em http://itg.inov.pt/

  21. Fernando Colaço Says:

    Para o caso de alguém precisar de um avatar apropriado para o forum e não tiver pacieência para o penteado, a gravata, o fundo e o resto, acabei de preparar um no Photoshop que disponibilizo AQUI.

  22. Carlos Says:

    Este Sr. Dr. Professor (aka pseudo-guru das TI e SI entre outras coisas) precisa de saber o que significa “self-awareness”, pois não tem consciência do que diz nem do que faz (void).

    Ele não tem moral nenhuma para falar sobre a melhoria no ensino e, muito menos, sobre a qualidade dos informáticos em Portugal.

    Qualquer pensamento dele no contexto supracitado peca, pura e simplesmente, por insuficiência. Porquê? Porque não tem qualidade para estar no IST nem noutra faculdade qualquer.

    Não vou deixar-me “descambar” e “atacar” o Sr. Dr. Professor MMS porque não vale a pena.

    Oops! Já o fiz… é melhor acabar o que comecei. Damn!

    O Sr. Dr. Professor MMS sofre de atraso mental severo a semelhança de alguns dos lideres deste país. Deveria ter vergonha na cara e não escrever/dizer barbaridades.

    Ele que faça muito bom proveito do tacho que tem. Pois, aufere muito mais do que 1500 euros… If you know what I’m talking about…

  23. Anonymous Says:

    de quem ja viu de perto o personagem… nao foi nada que me tenha surpreendido.

  24. Mario Says:

    O que tenho a dizer é que este individuo é um Tribolet Wannabe! :P Assisti a aulas que eram dadas em conjunto e era uma autentica engraxadela! :P

    Conclusão.. O sr anda mto triste desde que inventaram o sabonete liquido

  25. Hugo Says:

    Enfim… ha cada um…
    Sao estes pequenos incidentes que me fazem pensar que mereco os 2200 liquidos que me pagam.

  26. Hugo Says:

    damn… a mim, nem brutos se aproximam dos 2200… será caso para dizer: há Hugos com sorte? :)

  27. Ze Says:

    Eu sei que ja’ passou algum tempo mas e’ mais forte do que eu. Fica aqui o meu exemplo que pode ser que decida mais uns tantos a emigrar e passar a ganhar um salario decente.

    Eu sou programador e sai’ de Portugal em 2001 para o UK. Na altura ja’ tinha 5 ou 6 anos de experiencia como free lancer e comecei com um salario de 1800 GBP (que na altura eram 2700 Euros).

    Neste momento sou free lancer (ou contractor) e ganho entre 350 e 450 GBP por dia…

    P.S. As minhas desculpas mas ja’ nem sei onde param as cedilhas e os acentos nestes teclados.

  28. Lily Farley Says:

    We first set out to identify an optimal cosolvent for all four steps taking advantage of the high yield Sonogashira–Glaser coupling synthesis [15] of 1,4-diphenylbutadiyne starting from iodobenzene (1a) ( Table 1 ). In addition, the final cyclization step to give 2,5-diphenylthiophene (2a) was performed under microwave heating at 120 °C for a hold time of 2 h.

  29. Hechizos y Mas Says:

    We are a group of volunteers and starting a brand new scheme in our community. Your web site provided us with helpful information to paintings on. You’ve performed an impressive task and our entire neighborhood might be thankful to you.

Leave a Reply


Close
E-mail It
Socialized through Gregarious 42